Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

riscos_e_rabiscos

.

.

Aumento de Tugas.

 

Confesso que, quando abri a página do Sapo para aceder aqui ao blog, e me saltou à vista esta notícia, o que invadiu a minha mente foi: "até aposto que o crescimento dos Tugas foi proporcionado pela etnia cigana para ganharem subsílios (subsídios) e casas, e outros seres parasitas da sociedade que não fazem a ponta de um corno, a não ser fazer filhos que depois andam aos caídos, como estes que passam tardes inteiras aqui à porta do café a beber litradas de cerveja".

Até me lembrei deste post escrito há uns tempos atrás. Ainda bem que as coisas estão a ser revistas.

 

A seguir fui ler a notícia para perceber do que se tratava realmente. Até porque eu ainda não tive filhos devido à minha instabilidade financeira - que nunca mais acaba -  assim como muitas mulheres que também se retraem por este e outros motivos.

Os Censos de 2011 revelaram um pequeno crescimento de Tugas em duas zonas específicas do país, no Algarve e na Madeira. Eu e a minha mente perversa pensámos logo "no Algarve deve ser por causa de alguns estrangeiros menos tesos que os Tugas e na Madeira o tio João deve ter dado algum incentivo à natalidade..." Mas ainda bem que assim é. Qualquer dia deixa de haver Tugas e Portugal depois deve ser anexado a Espanha de vez.

 

Tenho pena que os nossos governos não incentivem e criem apoios para que as famílias possam ter filhos ou até o segundo filho. Não é que as famílias não o queiram, não o desejem mas o orçamento familiar é que não estica.

 

Deixo uma pergunta: como é que um país com população envelhecida - e que cada vez será mais - pode aumentar a sua produtividade e gerar recursos financeiros? Decretar que a idade reforma é aos 100 anos (como se lá chegássemos!)? Não era bom pensar em incentivos à natalidade? Penso eu de que...

 

 

Censos e a minha mãe.

É um dos assuntos do dia e são uma autêntica palhaçada como já todos sabemos. As perguntas são completamente descabidas e parece que foram feitas em cima do joelho, feito à medida da conveniência do governo e não para saber como vive/estão a população do país real e actual. Afinal tiveram 10 anos, como disse o Miguel Sousa Tavares, para pensar, ponderar e elaborar a informação e as perguntas... Isto é mais um reflexo do estado deste país, tudo feito à pressa, mal feito e sem pés nem cabeça. Enfim!

 

Aqui em casa quem preencheu os censos fui eu, claro. Os velhotes já não "estão" para estas coisas. Assim, a minha mãe desconhecia o conteúdo dos censos, das perguntas e só se foi apercebendo por aquilo que vai ouvindo na televisão ou pelo que as amigas dizem (é o que faz delegar as coisas aos filhos :P).

Acontece que, ao ter consciência do conteúdo dos censos e do tipo de perguntas, ficou danada e anda toda revoltada e agora já só me diz para não preencher certas coisas porque eles não têm nada a ver com isso... ahahaha! Realmente era o que todos devíamos fazer, a começar por mim que a pergunta mais rídicula de todas: a dos recibos verdes!